Construindo o pós-Niemeyer

Geração sucessora do mestre discute o futuro da arquitetura brasileira

Representantes de uma geração que se valeu do legado de Oscar Niemeyer, ao fundir a leveza do traço carioca à chamada arquitetura brutalista de São Paulo, concordam que os projetos dos novos profissionais não constituem uma unidade e que a morte do mestre deixa um vazio. “Temos que ser, como ele, férteis, para gerar nossas próprias ideias”, diz Gustavo Penna a Audrey Furlaneto. Um museu de arte contemporânea na ilha açoriana de São Miguel, uma biblioteca na Argélia, um centro musical no Marrocos e um templo da Igreja Adventista do Sétimo Dia em Belém do Pará são alguns dos últimos traços que saíram da prancheta de Niemeyer, revela Rogério Daflon. (O Globo)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s