Artigo temático sobre o Ideb

Ideb: Um peteleco na primeira pedra do dominó

MIRANDA SÁ (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

 

Saiu do ninho da serpente o ovo goro da Educação Básica, o Ideb, chocado pelo MEC e trazendo uma desgraça irreparável para as novas gerações. Mais um motivo da vergonha nacional. É desastrosa a pontuação do ensino público que o Ideb expôs.

Mostra que da 5ª para a 8ª série os estudantes – na sua grande maioria – são analfabetos funcionais, sem ter aprendido as matérias fundamentais de Português e Matemática. A constatação desta desdita é um peteleco na primeira peça do dominó, num jogo que derruba em cadeia todas as demais, atingindo a formação universitária.

…E até parece proposital que nessa triste situação, a Universidade escancara as portas com a imposição de 50% nos bancos escolares para as escolas públicas que obtiveram uma indecorosa nota de 3,4.

O Ensino Médio deveria constituir a base exemplar do grande salto intelectual para o futuro; mas o resultado pífio do Ideb, ligado às polêmicas ‘cotas’, demonstra a pouca ou nenhuma atenção do PT-governo com a formação intelectual do povo brasileiro.

Torna-se ainda pior a tentativa do Executivo para explicar o resultado do Índice, pela boca do ministro da Educação, Aloísio Mercadante, um político profissional sem especialidade na área. Em vez da necessária autocrítica, ele traz argumentos retóricos ordinários e novas propostas improvisadas.

A verdade é que deverão tornar-se acadêmicos jovens despreparados até para fazer um ditado, escrever uma dissertação e mesmo incapaz de entender um texto mais complexo. Qual será a conseqüência imediata disso? Aviltar a universidade, nivelando por baixo as matérias para atender a demanda de alunos de qualidade inferior.

Os patriotas desejosos do desenvolvimento e da independência econômica do País, assistem com pesar os discursos palanqueiros do lulo-petismo enaltecendo cinicamente esta situação de descrédito e o tapa-buracos das cotas.

Outro dia, leu-se num editorial do tradicional Estado de São Paulo que “O PT está tentando construir uma pirâmide social a partir do cume… Pobre Brasil, e pobre dos brasileiros…”

Aplaudindo esta colocação, vamos buscar uma expressão meio desbotada no vocabulário político: é a “subversão da ordem”. Já não bastava a distorção anti-social e de certa forma racista, que veio com as cotas para negros, menosprezando a inteligência, a dedicação e o inegável valor cultural dos grandes brasileiros de origem africana.

Querem apagar da História o orgulho do nosso passado com André Rebouças, Joaquim Nabuco, Luís Gama e Machado de Assis, e de desconhecer o presente do geógrafo Milton Santos, do teatrólogo Abdias do Nascimento, do jornalista Carlos Alberto de Oliveira – Caó, e da jóia do mundo jurídico, o ministro do STF, Joaquim Barbosa.

As cotas raciais ou sociais trazem um fator de desestímulo, deixando para trás os alunos que perderam a autoconfiança e ficaram no meio do caminho sem coragem (ou envergonhados) para enfrentar desafios culturais de um nível mais elevado.

Por isso, torna-se evidente que o ensino no Brasil exige uma guinada de 180 graus. Infelizmente, trata-se de uma mudança que o PT-governo é incompetente para realizar, porque teria de começar com uma censura ao garoto de Lula, ex-ministro da Educação, Fernando Haddad.

Assim, não podemos nos equiparar às nações concorrentes, em desenvolvimento, como nós. A não ser que possamos transmitir o conhecimento e as informações fundamentais das áreas básicas, indispensáveis, como Português, Matemática, Ciências, Geografia e História. O currículo da Coréia do Sul, facilmente encontrável e melhor ainda, adaptável, ajudaria muito os inescrupulosos quadros do lulo-petismo.

E tem mais: Pesquisando – na ânsia da minha sede de aprender – encontrei em Vitor Hugo o meu desabafo: “Qual a glória de aviltar um povo a fim de governá-lo? Em corrompê-lo? Em tentar aniquilar o seu amor à liberdade, que é o maior bem do homem?” Hugo, brilhante autor d’ “Os Miseráveis’ vai mais adiante: “Nada mais revoltante do que o sadismo social que se satisfaz em humilhar, envilecer e diminuir toda uma Nação que poderia ser grande, próspera e feliz”.

Escreveu para nós, que nos envergonhamos da inércia do nosso Ensino Médio.

 

 

Anúncios

6 Respostas para “Artigo temático sobre o Ideb

  1. marcus carvalho

    Bom dia
    O quê será das próximas gerações…Perfeito!
    Quê vc tenha bom dia.
    Abs
    Marcus

  2. Perfeito! Deixo o meu sublinhar desta verdadeiríssima leitura para a seguinte escrita: “Os patriotas desejosos do desenvolvimento e da independência econômica do País, assistem com pesar os discursos palanqueiros do lulo-petismo enaltecendo cinicamente esta situação de descrédito e o tapa-buracos das cotas”. É exatamente este o sentimento que me invade, oriundo desta realidade nojenta, hipócrita, imunda e covarde: PESAR!

  3. O simples fato de pensar uma imbecilidade dessas já levaria ao paredão seu autor. Implantá-la é de um caráter destruidor incorrigível a curto e médio prazos. Quiça um dia se possa atenuar os seu efeitos desastrosos.

  4. Todas as modernizações pedagógicas adotadas desde os anos 70 vem degradando o ensino. Universalizou-se o desconhecimento com aval do MEC. Institucionalizou-se a mediocridade. Temos que humildemente olhar para trás e ver onde erramos. Descobrir que cantar o hino e educação cívica não são símbolos do militarismo. Educação técnica não forma melhores cidadãos preparados para mudanças sociais drásticas. Que a Universidade não serve para dar conhecimento e diplomas e sim gerar novas técnicas, informações e talentos. que o ensino pré-escolar não é apenas parquinho. Que não se recupera um dia, um mês, um ano muito menos uma década perdida. Que as cotas raciais são discriminatórias em si mesmas. Que o ensino técnico tem que ser agregado ao secundário sem ser um diferencial. Que o esporte começa na escola. Que a família é a parte mais importante da formação, dando incentivo. Que não existe greve de estudantes, e sim vadiagem. Que o ensino público é uma obrigação e uma dádiva. Que o professor deve ser tratado como profissional à ser respeitado como qualquer outro. Que a escola deve ser tratada como unidade integrada à comunidade e independente da vontade de poucos caciques de estruturas engessadas. Que existem muitas ferramentas hoje substituem o quadro negro com vantagens.
    E principalmente ensinar o brasileiro que estudar é algo natural como trabalhar, ter lazer, tomar uma cerveja ou assistir TV.

  5. Eu já escrevi no tempo do Lula: estamos cada dia mais tendo pessoas com diploma de nível superior com conteúdo básico de oitava série!

  6. É triste ver pra qual lata de lixo está seguindo nosso ensino e pra onde vão nossas futuras (?) gerações… Futuras essas que estão aí… basta ver que há médicos sendo formados com expertise de açougueiros (que me perdoem os profissionais de açougues que sabem qual peça de carne estão cortando, e com muito respeito e competência!)… Que dirá os professores, cientistas, matemáticos, engenheiros, etc… É gente, cada um tem o governo que merece! A democracia tem esse lado também, mas isso não que dizer que tenhamos que ficar de braços cruzados, vamos continuar gritando até que nossa voz seja ouvida (ou pelo menos escutada…)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s