Artigo temático sobre o Mensalão

Só os fanáticos lulo-petistas não admitem o Mensalão

MIRANDA SÁ ( E-mail: mirandasa@uol.com.br )

 

“O fanatismo é a única forma de força de vontade acessível aos fracos” (Nietzsche)

Fanatismo, do latim fanaticus,-a,-um, e do francês fanatique, é o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente por qualquer coisa ou tema, historicamente associado a motivações de natureza religiosa ou política. Ou até mesmo com um entusiasmo obsessivo para uma postura ou um passatempo.

Pesquisando sobre o fanatismo, a professora Ana Lucia Santana encontrou significados diversos, como “culto excessivo de alguém ou de alguma coisa; zelo religioso excessivo; paixão política; intolerância; sectarismo; exaltação exagerada; faccionismo; dedicação excessiva”.

Segundo a psiquiatria, é um comportamento extremamente freqüente em paranóides, cuja apaixonada adesão a uma causa pode avizinhar-se do delírio.

O maior e mais pragmático exemplo de fanatismo e de fanáticos no Brasil esparrama-se na realidade sócio-política de hoje, com uma organização seguindo um líder político, Lula da Silva, e, em consequência, apresentando cega obediência ao partido dele, o Partido dos Trabalhadores.

São continuadas demonstrações paranóicas dos lulo-petistas, mudando de ideia de acordo com a orientação partidária, chegando ao cúmulo de negar os subsequentes atos criminosos dos mensaleiros, delitos demonstrados à exaustão pela polícia, pela Justiça e até no vídeo da televisão.

Temos na Rede Social uma falange de fanáticos querendo tapar o sol com uma peneira. Negam até evidências, manifestando – pelo menos na aparência – uma certeza cínica da inocência dos corruptos. Dizem os anti-petistas radicais tratar-se de amoralismo ideológico; que falta aos lulo-petistas senso de moral na adesão ao princípio de que o fim justifica os meios.

Da minha parte, já me acostumei com as provocações desses indivíduos obsecados e dissimulados, tendo por eles apenas compaixão.

Surgiu porém outro caso que fere preceitos e discursos, o recuo desonroso na troca de camisas do exaltado nacionalismo estatizante, com a adesão ao neoliberalismo, antigo alvo dos seus furiosos ataques.

O PT-governo passou a aprovar – de forma definitiva – os postulados econômicos que combateu violentamente na campanha que elegeu Dilma Rousseff para presidência da República. Hoje, na mesquinhez do amoralismo ela teve apenas o cuidado de trocar o rótulo da ‘privatização’, alcunhando-a de ‘concessão’.

Ainda soam nos nossos ouvidos as denúncias virulentas do lulo-petismo ao governo tucano de Fernando Henrique pelas privatizações; são inesquecíveis as bazófias da dupla Lula-Dilma jurando livrar o País da diabólica política capitalista. 

Formaram um bando extremista de combate às doações à iniciativa privada; acusando um roubo com “a entrega do patrimônio público a quem nada investiu para viabilizar bens materiais, e que gozarão dos milhões subtraídos dos impostos pagos pela sociedade”.

Desta vez o PT-governo abandona àqueles princípios, assim, sem olhar para trás, sem se acanhar da traição ao seu passado. Sem vergonha, brindam a entrega de milhares de quilômetros de rodovias, de portos, aeroportos e hidrelétricas, às sanguessugas do Erário.

Sinceramente, não me espanta o conformismo obediente dos petistas, mas me deixa chocado a falta de indignação dos teóricos do populismo nacionalista do PT e dos seus satélites políticos. Até por fingimento.

Da minha parte, não discuto as privatizações. Considero-as até justas em certos setores da economia; mas revoltam-me as ameaças à legislação trabalhista que acompanham essas medidas. É uma reivindicação dos felizes bolsistas do ‘PAC das Concessões’.

Anúncios

3 Respostas para “Artigo temático sobre o Mensalão

  1. “… me deixa chocado a falta de indignação dos teóricos do populismo nacionalista do PT e dos seus satélites políticos. Até por fingimento.” …q fosse. Por fingimento, q fosse, já seria uma resposta à sociedade. -Luz no fim do túnel.
    Creio q o mal maior está mesmo no nosso povo, somos desprovidos de Moral de Base, tudo pode nos ser permitido, aceitável, afinal…-Racionalizamos. Tudo nos é relativo, nada absoluto.
    Falta Moral.
    Falta Educação. Q ensinemos (e aprendamos) Ética, Filosofia, História… Moral. -Demais complementam naturalmente.
    Governo Moral é benvindo! Dele auferiremos Saúde, Segurança, Educação… -Um círculo.
    Parabéns por sua luta pela informação correta e, às vezes, necessariamente direcionada.
    Um abraço. 🙂

  2. Imagine a aflição dos (ridicularizados de sempre) técnicos de carreira da saúde… “criam politicamente a incompetência técnica como justificativa prá safadeza política, que comanda esse setor e outros mais, de obrigação do governo”. Se a Saúde e Educação “inventarem de funcionar” como podem tecnicamente, imaginem como ficará o quintal dos políticos – esvaziado de “pedintes” ?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s