Artigo para o fim de semana

Economia malsucedida penaliza servidores públicos

MIRANDA SÁ ( E-mail: mirandasa@uol.com.br)

 

Não sem tempo, apagou-se o sorriso alvar do pelego Guido Mantega, que ocupa o Ministério da Fazenda. Após ensaios e experiências malsucedidas, ele reconhece que Lula da Silva foi inconseqüente ao considerar a crise mundial uma ‘marolinha’; e, embora tardiamente, descobriu que com os impactos da crise, o País pouco crescerá este ano.

Por estreiteza de conhecimentos e nenhuma formação teórica, Mantega não enxergou o Exterior. Foi incapaz (talvez pelo antiamericanismo lulo-petista) de acompanhar a estagnação dos EUA, com apenas 2% de crescimento projetado para 2012.

Também não é preciso gastar papel e tinta para analisar a caótica conjuntura européia, só registrar que, somando-se à situação norte-americana, foi a UE que promoveu a queda do PIB global neste segundo trimestre.

Pelas projeções do FMI, o crescimento da economia global será bem menor dos previstos 3,5% para abril; e até a imaginária solidez da China, a maior parceira comercial do Brasil, desvaneceu-se, obrigando a potência asiática a promover as necessárias ações de estímulo.

Como país ‘emergente’ a China economizando, atua diferentemente daqui, onde o PT-governo impõe uma política consumista irresponsável, provocando o endividamento popular. Partido dos ‘trabalhadores’, faz os trabalhadores pagarem indiretamente pela crise.

Lá se vão 18 meses que Dilma Rousseff foi investida na Presidência da República e ainda não assumiu (por ignorância ou inabilidade) o poder de traçar o rumo do crescimento econômico que a Nação almeja.

Dilma sequer consegue pressentir que o seu ministro Mantega é incapaz. Tudo o que ele tem feito até agora, mesmo os resultados positivos, são ganhos simplesmente medíocres. Falta à Presidente uma equipe econômica competente e audaciosa como a que teve o presidente Itamar quando lançou o Plano Real.

Tivesse ao seu lado economistas hábeis, aproveitaria o inegável acerto da queda de juros, e debelaria o chamado ‘custo Brasil’, reduzindo o emaranhado de tributos que oneram o empresariado.

Ao mesmo tempo, seguiria o exemplo ‘socialista’ do presidente francês François Hollande, que aumentou o salário mínimo. Se adotou o caminho do consumo (uma das teses anti-crise), porque não estimular com remunerações justas o mundo do trabalho? Na França, as grandes fortunas e os banqueiros é que entram com uma parcela da concentração da riqueza para combater a crise. Aqui, infelizmente, o PT-governo se desvia da linha justa traçada pelos socialistas franceses.

Vê-se o maior exemplo na negação estúpida do reajuste aos servidores públicos, que injetaria na economia recursos para o consumo, sem endividamento. Aí registramos uma grande contradição, que chega à tragicomédia: O lulo-petismo que chegou ao poder com ajuda do funcionalismo federal converte-se em seu algoz, reprimindo suas greves legítimas.

Além de tiranizar o direito de greve de 26 categorias de servidores, corta retroativamente o ponto dos 350 mil grevistas. E divide mais uma vez a Nação, provocando um descontentamento geral na administração pública.

Não bastassem as preocupantes paralisações da Polícia Federal, Receita Federal (por conta das fronteiras), ANVISA (pela importação de medicamentos), e do Judiciário (às vésperas de uma eleição), estimula a entrada no movimento de outros setores fundamentais do governo.

Por tudo isto, somos obrigados a também repudiar, além de Mantega, os defensores públicos do arrocho salarial do funcionalismo, Gilberto Carvalho e Ideli Salvatti, traidores da causa dos trabalhadores.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s