Artigo temático do fim-de-semana

Festim de libertinagem público-privada

MIRANDA SÁ (E-mail: mirandasa@uol.com.br)

 

Um antiqüíssimo adágio chinês diz que uma imagem vale por mil palavras… Infelizmente só tenho os caracteres gráficos neste texto, sem poder reproduzir as fotos que o deputado Anthony Garotinho expôsem seu Blog, registrando um diabólico conúbio entre o governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral e alguns secretários, com o dono da Delta, Fernando Cavendish.

Até um retrato amarelado de memórias estudantis chamaria a atenção pela íntima descontração do grupo cabralino confraternizando em 2009, no Hotel Ritz, Paris. A rapaziada simula a dança da garrafa com fraldas na cabeça, riso incontido e olhos esbugalhados de satisfação.

Uma das fotografias divulgadas é revoltante. O mais condescendente entre os defensores da honestidade no trato da coisa pública, ficará indignado vendo Cavendish abraçando afetuosamente o secretário Régis Fichtner, indicado por Cabral para investigar os contratos da Delta com o Estado.

O amplexo fraterno mostra que a ‘fiscalização’ do Governo do Rio de Janeiro é um zero à esquerda. E desmente, com veemência, o senhor Luiz Fernando Pezão, o vice-governador do Estado, que há poucos dias abonou os contratos com a Delta, afirmando que esses “obedeceram a todos os editais”. E não satisfeito com este firme aval, acrescentou que a Delta seria “uma empresa agressiva, por isso tem mais contratos”.

Assim, vê-se que chegaram ao Rio as vigorosas ondas do mar de lama que se propagam nos quatro cantos do território nacional, e que sobrenadam nelas luxuriosas farras com o dinheiro público, segundo as legendas que acompanham as fotos.

Este tsunami pútrido da corrupção arrasta consigo numerosos políticos, de todos os partidos, e o Correio Braziliense enumera 26 deles, governadores, um senador e deputados federais.

A editoria do jornal brasiliense parece assombrada ao contextualizar que “as notícias não param, nunca se viu nada igual”. Realmente, as revelações da Polícia Federal, colhidas de conversas telefônicas, comprometem irrefutavelmente a empreiteira Delta, detentora de quase 70% das obras do PAC.

A lista publicada traz entre os suspeitos, os nomes de Carlos Roberto Pacheco, vice-presidente da Delta; Heraldo Puccini Neto, diretor da regional Sul e de São Paulo; e Cláudio Dias de Abreu, ex-diretor da empreiteira na Região Centro-Oeste. Além desses, relaciona mais seis funcionários da Delta.

A empresa ‘era’ a frente legal do esquema de Carlinhos Cachoeira, mantendo com ele e seus prepostos contatos freqüentes. E não parava por aí; o jornalista e deputado Fernando Gabeira, em sua análise sobre a Delta, conclui tratar-se como sua definição geográfica, isto é, “uma foz de muitos braços de rios”.

E é Gabeira quem denuncia, e precisamos ficar atentos, que “a Delta será poupada de investigações sobre suas ramificações e negócios ilícitos, especialmente no Rio de Janeiro”

Realmente, a estratégia lulo-petista na chamada CPI de Cachoeira se assenta no salvamento dos seus companheiros e parceiros próximos, dirigindo as investigações como o fato isolado das relações entre o principal agente da corrupção e os seus colaboradores do mundo político.

Assim, os governistas tentarão sanear um canal, blindando-o com a argamassa hidráulica do poder, mas deixarão os demais braços do delta Cachoeira vazar até onde não der…

Não posso esconder dos que me honram com a leitura dos meus artigos que estou assombrado com o comprometimento de governantes federais e estaduais com este conjunto de elementos criminosos. Pelo menos no Rio de Janeiro, passei a ver mais do que uma cordialidade social de políticos e empresários, mas um festim de libertinagem público-privada.

Anúncios

6 Respostas para “Artigo temático do fim-de-semana

  1. É impressionante a evolução da criminalidade oficial depois da institucionalização do “não sei, não vi, não fui eu” que o 9 dedos implantou. A vergonha e o constrangimento há muito não figuram nas atitudes de ninguém nos 3 níveis de governo e nos 3 poderes da república.

  2. Magalhães A. Silva

    *1 “Realidade é o pesadelo do mundo dos sonhos.” (Esaú Wendler)
    *2 “Face á realidade, o que julgamos saber claramente ofusca o que deveríamos saber.” (Gaston Bachelard)

  3. Questões com empreiteiras sempre foram sabidas, todos sempre comentavam, mas não se chegava a denúncias, a fatos e fotos tão comprometedores… Mídia mais presente, principalmente pelo advento da internet, fomentou a exposição dos fatos-fotos, sejam quais tenham sido os motes.
    Bom seria ver país passado a limpo tomado pé na situação, mas ainda não posso postar todas minha fichas, apesar do alento da visibilidade, da comprovação. Receio que desculpas serão bem aceitas pelos cevados, nas bolsas isso-e-aquilo.
    De certa forma, a fé, a esperança se renovam.
    Um abraço.

  4. francisco cesar albuquerque moura

    Perfeito, um retrato dos políticos Brasileiros e de nossos homens ( Sérios )

  5. Escrever o que tá todo mundo careca de saber que esse governo, decepcionou todos aqueles que acreditaram em uma virada de mesa, deixou se levar pelo dinheiro fácil, raiz de todos os males neste secúlo.Viva a democrácia Petistas, viva a ladroagem, viva o povo abestado e pobre, de espirito. Espero um dia vê tudo isso como uma página virada.

  6. Concordo com o cacique. Desde que o “azia de ler” múltiplo Doutor HC (Honoris Corruptus) implantou a corrupção por atacado no Brasil (vulgo Mensalão), com a originalíssima evasiva criminal “não sei de nada”, qualquer Mané, Cabral ou Queiróz transforma o ‘modus operandi’ em “filosofia de vida”. Precisamos urgentemente retornar à Democracia.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s