Marianne Moore

A EMBALSAMADA POLÍTICA

 

 

Nada há a dizer a teu favor. Guarda
o teu segredo. Oculta-o sob a tua plumagem
áspera, necromante.
Ó
ave, cujas tendas foram “toldos de fio
egípcio”, a vaga inscrição em ziguezague da Justiça
– inclinando-se como uma bailarina –
há-de mostrar
a força da sua soberania outrora viva?
Dizes que não, e transmigrando do
sarcófago, tu és como o vento,
a neve,
o silêncio à nossa volta, com a voz de um moribundo,
semi-titubeante e semi-senhoril, tu espias
em redor. Íbis, em ti qualquer virtude
não
existe – tu, que estás viva, mas tão silenciosa.
O comportamento discreto não é agora a síntese
do bom senso do estadista.
Mesmo
que fosse a encarnação da graça morta?
Como se uma máscara da morte pudesse alguma vez substituir
a excelência imperfeita da vida!
Lenta
até para reparar no íngreme e rígido equilíbrio
do teu trono, hás-de ver a forte distorção
dos sonhos suicidas
passar
cambaleante em sua direcção e com o bico
atacar a sua própria identidade, até
o inimigo parecer amigo e o amigo parecer
inimigo.

(in Poemas de Marianne Moore e Elisabeth Bishop, tradução de Maria de Lourdes Guimarães)
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s