Bocage

SONETO NAPOLEÔNICO

Tendo o terrivel Bonaparte à vista,
Novo Hannibal, que esfalfa a voz da Fama,
“Ó cappados heroes!” (aos seus exclama
Purpureo fanfarrão, papal sacrista):

“O progresso estorvae da atroz conquista
Que da philosophia o mal derrama?…”
Disse, e em fervido tom sauda, e chama, [férvido]
Sanctos surdos, varões por sacra lista:

Delles em vão rogando um pio arrojo,
Convulso o corpo, as faces amarellas,
Cede triste victoria, que faz nojo!

O rapido francez vae-lhe às cannellas;
Dá, fere, macta: ficam-lhe em despojo
Reliquias, bullas, merdas, bagatellas.(1)

(1) Este soneto foi escripto na occasião em que o exercito francez
commandado por Bonaparte invadira os estados ecclesiasticos (1797),
chegando quasi às portas de Roma, e ameaçando o solo pontificio. O verso
nono: “Dellas em vão rogando um pio arrojo,” envolve uma especie de
equivoco, ou como hoje se diria um calemburgo [ou trocadilho]; porque
Pio VI era o papa, que então presidia na “universal egreja de Deus”. O
penultimo verso lê-se em algumas copias do modo seguinte: “Zumba,
catumba; ficam-lhe em despojo”. [nota da fonte]
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s