Wallace Stevens

O REI DO SORVETE


 

Chame o enrolador de grandes charutos,

Aquele dobrado, e diga-lhe que bata

Os coalhos concupiscentes nas xícaras da cozinha.

Que as gurias zaranzem nos vestidos

Habituais, e os rapazes tragam flores

Em cartuchos de jornais do mês passados.

Que ser seja o final de parecer.

Só há um rei e esse é o rei do sorvete.

 

Tire da cômoda de pinho,

Que já perdeu três puxadores de vidro, aquele lençol

Que ela bordou um dia com caudas de pavão

E estenda-o de modo a cobrir-lhe o rosto.

Se um pé unhudo sair para fora, é

Para mostrar como ela está fria, como está muda.

Que a lâmpada afixe o seu filete.

Só há um rei e este é o rei do sorvete.

 

(tradução de Décio Pignatari)


Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s