Acesso à pílula do dia seguinte ainda é precário no SUS

Unidades de saúde exigem receita para liberar contraceptivo de emergência e presença de responsáveis por adolescentes

Quase uma década após o início da distribuição da pílula do dia seguinte no SUS, o acesso ao contraceptivo de emergência é precário. Além da escassez, as unidades de saúde exigem receita para liberar a droga, que só previne a gravidez se ingerida até 72 horas após o ato sexual.

Muitas vezes, porém, não há médico para fazer a prescrição e uma consulta com um ginecologista pode demorar até dois meses. Nas farmácias, as mulheres conseguem comprar o medicamento sem receita, o que é ilegal, por preços que variam de R$9 aR$ 23.

Segundo especialistas, a exigência amplia desigualdades no acesso à pílula. Para as adolescentes, a dificuldade é maior. Embora o Ministério da Saúde garanta o direito ao sigilo, muitos postos exigem a presença de pais ou responsáveis para liberar a droga. (Folha de S. Paulo)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s