O “marxismo” dos Irmãos Marx

Os “Irmãos Marx”, todos sabem quem são. Comediantes, eles ocuparam um importante espaço no cinema, tão importante que os canais pagos de televisão passam seus filmes até hoje. Groucho, o porta-voz do grupo, é autor de frases antológicas; sendo uma de importância filosófica: “Não entro em clube que me aceita como sócio!”.

A rapaziada dos filmes “pastelão” nada tem a ver com Karl Marx, o genial fundador do comunismo científico. Em comum, apenas que ambos atravessam os anos mantendo seguidores e fãs.

Karl Marx estudou a vida econômica e política da sociedade burguesa e, crítico do capitalismo, deixou uma vasta obra que traz uma concepção de um mundo novo, livre de superstições, conservadorismo e exploração do homem pelo homem. Deste trabalho científico, nasceu o marxismo.

Os partidos socialistas e comunistas do mundo inteiro adotam o marxismo aproveitando-o em parte ou no todo, mas nem todos, porém, seguem-no com exatidão. Desde os primeiros tempos surgiram tentativas de falsificação das idéias de Karl Marx, tendo uma delas surgido na Rússia quando crescia o movimento socialista. Foi o chamado “marxismo legal”, lançado por intelectuais da burguesia liberal.

No Brasil, onde a história do socialismo é curta (foi Silvio Romero o primeiro leitor do Manifesto Comunista), também apareceram várias organizações piratas se fazendo passar pelo socialismo proletário. Muitos partidos usurparam inclusive os adjetivos “comunista” e “socialista” usando-os como rótulo para passar um fictício socialismo pequeno-burguês filho do liberalismo.

Ainda é contemporânea esta pirataria traiçoeira. Uma delas vem dos arrivistas que conquistaram a hegemonia no Partido dos Trabalhadores, impondo o pelegão Lula da Silva como um “homem de esquerda”. Nada mais falso.

Em 1975, mais precisamente no dia 19 de abril de 1975 – aniversário de Getúlio Vargas – o pelegão, hoje re-Presidente da República, assumiu a direção do Sindicato dos Metalúrgicos com um discurso de onde tiramos um trecho muito elogiado por Delfin Neto. Disse Lula da Silva:
“O momento da história que estamos vivendo apresenta-se, apesar dos desmentidos em contrário, como dos mais negros para os destinos individuais e coletivos do ser humano. De um lado, vemos o homem esmagado pelo Estado, escravizado pela ideologia marxista, tolhido nos seus mais comezinhos ideais de liberdade, limitado em sua capacidade de pensar e se manifestar. E, no reverso da situação, encontramos o homem escravizado pelo poder econômico, explorado por outros homens, privados da dignidade que o trabalho proporciona, tangidos pela febre de lucro, jungidos ao ritmo da produção, condicionados por leis bonitas, mas inaplicáveis, equiparados às máquinas e ferramentas.”

Parece que foi escrito pelo general Golbery ou algum ghost-writer da Volkswagen, bem adaptado à personalidade do atual Presidente da República.

Intelectuais oportunistas, padres de passeata, pelegos sindicais e dissidentes do movimento comunistas usaram Lula da Silva para fundar um partido, e com ele chegaram ao poder na República Federativa do Brasil. Vemos que o Pelegão continua o mesmo; mas os seus joysticks, multiusuários da vitoriosa carreira é que perderam a vergonha.

Diziam-se politicamente marxistas. Com variações, mas marxistas. Hoje submetem-se às maiores safadezas, como faz um deles, o ministro (!?) Tarso Genro, que tem o descaramento de dizer que “o Governo Lula não precisa de reforma política”, numa flagrante contradição com o que expôs o Presidente nos comícios, ao ser reeleito e ao tomar posse.

A dialética da pelegagem apaga o que não interessa ao PT-governo, mas está registrado no horário eleitoral do TSE que Lula disse na campanha: “A crise ética que se abateu sobre o País é a crise de todo sistema político e não apenas de alguns partidos ou de determinadas pessoas. Por isso, nós vamos fazer a reforma política”.

No primeiro discurso depois de vitorioso no segundo turno, falou o Pelegão: “Os partidos políticos precisam se fortalecer e para isso nós vamos discutir logo no começo do mandato a reforma política que o Brasil tanto necessita”. Ao tomar posse em primeiro de janeiro, resumiu um compromisso: “A reforma política deve ser prioritária no Brasil”.

Tarso Genro e os “marxistas” do PT não são marxistas seguidores de Karl Marx, mas “marxistas” dos Irmãos Marx…

Anúncios

Uma resposta para “O “marxismo” dos Irmãos Marx

  1. O seu texto é um texto acrítico.Não é uma crítica,tá mais pra uma resmungada.
    Além disso,a sua utilização mesquinha dos Irmãos Marx só demonstra a sua completa ignorância frente a verdadeira política revolucionária.
    Os Irmãos Marx,marxistas, são dos artistas mais revolucionários da história,ao lado de Shakespeare,Swift,Rabelais,Dante,Kierkegaard,Raoul Vaneigem e outros.
    Há uma cena com Chic’o e Harp’o em que eles discutem diretamente uma das questões colocadas na primeira internacional: a de que um produto só pode ser trocado justamente por um outro produto igual. Em “Noite na Ópera”,os dois irmãos,mais subversivos que o irmão mais velho,já morto e menos subversivo,trocam linguiças iguais.
    Entender Karl Marx sem entender Irmãos Marx é não entender Karl,e muito menos Groucho,Chico e Harpo.
    Abraços libertários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s